O Think Tank de
Sistemas Alimentares Sustentáveis

GRUPOS TEMÁTICOS

Pre-Summit

PRE-SUMMIT

Action Track #1 Clique aqui Action Track #2 Clique aqui Action Track #3 Clique aqui Action Track #4 Clique aqui Action Track #5 Clique aqui

Food Loss

Food Loss

Clique no botão abaixo e acesse ao site:http://foodlosschallenge.com.br/

Food Packaging

Food Packaging

Clique no botão abaixo e acesse ao site: http://foodpackagingchallenge.com.br/

QUEM SOMOS

Somos uma plataforma criada para dialogar, debater, desmitificar e o mais importante incluir o público no debate sobre a transformação dos sistemas alimentares.

A PLATAFORMA ALIMENTOS BRASIL 2050, foi criada pelo FoodTech Hub Br, mas é um Think Tank independente, um organismo pensante e aberto ao público em geral.

A Plataforma ALIMENTOS BRASIL 2050, tem como missão promover a transição para sistemas alimentares sustentáveis no Brasil e América Latina. Queremos que o debate sobre a reforma global do sistema alimentar, seja por meio de relatórios científicos e recomendações políticas detalhadas.

Uma plataforma aberta para todos os atores do sistema alimentar, iniciando com lideranças inovadoras sobre sistemas alimentares globais, incluindo os principais ecossistemas de inovação global.

A plataforma será composta por cientistas, engenheiro de alimentos, economistas, nutricionistas, agrônomos e sociólogos e adotará uma abordagem sistêmica que reconhecerá a natureza complexa e interconectada dos desafios nos sistemas alimentares e as relações de poder que moldam a tomada de decisões.

A construção de soluções com uma ampla gama de atores do sistema alimentar depende de uma abordagem democrática do conhecimento que valoriza a ciência de ponta, ao mesmo tempo em que reconhece a importância do conhecimento experiencial e tradicional.

A plataforma tem amplitude agnóstica permitindo análises independentes que abordam as questões mais urgentes.

PRINCÍPIOS

Identificamos alguns princípios fundamentais para orientar a transição, urgentemente necessária, para sistemas alimentares sustentáveis.
Eles incluem princípios para moldar os sistemas alimentares sustentáveis do futuro, bem como princípios para os tipos de conhecimento e análise necessários para apoiar essa transição.

Diversos e resilientes

Os sistemas alimentares devem ser fundamentalmente reorientados em torno de princípios de diversidade, multifunção e resiliência. Essa mudança é necessária na agricultura para sustentar a produtividade e os agro sistemas a longo prazo, e deve ser complementada pela diversidade nas cadeias de suprimentos e mercados, a fim de apoiar dietas diversas e nutritivas. 

Democrático e empoderador

A tomada de decisões nos sistemas alimentares deve ser democratizada de forma a capacitar atores desfavorecidos e ajudar a realizar os direitos humanos de todos, incluindo o direito à alimentação. O acesso a esses processos não deve depender de gênero, idade, etnia ou riqueza. As necessidades e perspectivas de pequenos agricultores, consumidores desfavorecidos e outros grupos menos favorecidos devem ser incluídos.

Holística e sistêmica

Fome, obesidade, degradação ambiental, perda de biodiversidade, as pressões sobre os meios de subsistência dos pequenos agricultores, erosão cultural, exploração da força de trabalho e outros problemas nos sistemas alimentares estão profundamente interconectados. O pensamento holístico é necessário para identificar “lock-ins” sistêmicos e encontrar soluções integradas e potenciais alavancas de mudança.

Sensível ao poder

A análise dos sistemas alimentares não deve ignorar o poder diferencial dos atores de influenciar a tomada de decisões e definir os termos do debate para a reforma. As relações de poder e a economia política dos sistemas alimentares devem tomar o centro do palco.

Transdisciplinar

O conhecimento deve ser coproduzido com agricultores, trabalhadores da indústria alimentícia, consumidores, empreendedores e outros atores e movimentos sociais que possuem uma compreensão única dos sistemas alimentares. Atores de áreas como saúde pública, meio ambiente e desenvolvimento rural também têm muito a contribuir para o debate sobre a reforma dos sistemas alimentares.

Quais princípios e valores devem nortear os sistemas alimentares sustentáveis do futuro?

Sustentável em todas as dimensões

A sustentabilidade deve ser a referência da reforma dos sistemas alimentares, e deve incluir as dimensões ambiental, sanitária, social, cultural e econômica. Sistemas alimentares sustentáveis devem fornecer dietas nutritivas, acessíveis e culturalmente aceitáveis e devem fornecer segurança alimentar sem comprometer a capacidade das gerações futuras de fazê-lo.

Adequadamente medido

Novos indicadores de progresso devem ser desenvolvidos para capturar os benefícios de sistemas alimentares equitativos, resilientes, diversos e ricos em nutrientes de forma que o crescimento da produtividade, a disponibilidade líquida de calorias e outras medidas que os indicadores atuais não estejam fazendo, sejam identificados. Esforços e iniciativas para melhorar a sustentabilidade dos sistemas alimentares, devem ser avaliados com vistas a ver a melhoria contínua.

Social e tecnologicamente inovador

A transição para sistemas alimentares sustentáveis exige processos complexos e holísticos de mudança. A inovação social desempenha um papel tão grande quanto a inovação tecnológica e se estende às práticas de distribuição de alimentos e varejo, bem como modos de produção. Os impactos das vias de inovação devem ser continuamente avaliados.

Independente

Engajamento

Organizações de produtores, varejistas e outros atores das cadeias alimentares devem estar totalmente engajados na definição e desenvolvimento de sistemas alimentares sustentáveis.

PRÓXIMOS EVENTOS

WEBINAR
25 de Março de 2021​

WEBINAR
06 de Abril de 2021

WEBINAR
04 de Maio de 2021

WEBINAR
29 de Junho de 2021

WEBINAR
02 de Julho de 2021

WEBINAR
24 de Agosto de 2021